23/12/16

coisas (2016)

Ainda ontem dizia a um amigo que o verdadeiro caso de polícia, no caso Inês Pedrosa, eram os livros dela; nepotismo? sou contra, mas só nos casos em que não me favorece. Nota-se aqui um poder de análise, conquanto não se analise o que tem de ser analisado. Escondo este meu talento para precaver a eventualidade de não haver talento nenhum, ou para o caso de ter vontade de ir a algumas festas em Lixboa. 

2016 exigiu muito dos meus consideráveis poderes analíticos. Dividi tudo, divide et impera, em coisas melhores e coisas piores e confesso-me partidário das coisas melhores. O processo é intuitivo, mas sofre racionalizações posteriores que servem para questionar o meu inquestionável bom gosto; chego a algumas conclusões e chego a muitas confusões.

Coisas piores


New Yorker, a coisa levemente irritante que mais me irritou este ano.


O diálogo público, que é mais público do que diálogo. Até metem nojo aos cães.

Todos que disseram que Bob Dylan é o poeta preferido deles. Até digitei um poemeto à propos: filisteus do caralho, filisteus do caralho/ filisteus do caralho, filisteus do caralho.

Muitas pessoas.


Coisas melhores


Patrick Melrose Novels e At Last, Edward St Aubyn.


A vida exagerada de Martin Romaña e Um Mundo para Julius, Alfredo Bryce Echenique.


Sons and Lovers, D.H. Lawrence


A consciência de Zeno, Italo Svevo

Kalevala


Audiolivros, uma das melhores ferramentas que comecei a utilizar quando estou a fazer tarefas menores, e.g., viver a minha vida. 

P’tit Quinquin (tv)


The Thick of it (tv)


Show me a Hero (tv)


The Knick (tv)


The Eric Andre Show (tv)


Norm Macdonald Live (podcast)


Kieslowski, tudo

Louis Malle, tudo

Eustache. tudo

Música Sacra, Palestrina, Josquin des Prez, etc.

Futebol e jantaradas com amigos.

Um casaco que comprei na Zara.

Tabaco Camel.

Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, tem todo o tipo de jornais, catálogo decente, gente simpática, café e bolos baratos, gajas boas, etc.

Algumas pessoas.